A vida é uma viagem

Para mim parece tão óbvio que a vida é mesmo uma viagem… Tão óbvio que frase é quase um “clichê”… Alguns podem levar isso para o lado religioso, e que seja, faz sentido afinal! Cada dia que passa concluo com maior convicção que a vida é uma viagem e que temos que aproveitar todos os momentos, sim, TODOS, inclusive os aparentemente ruins.

Por vezes, nas minhas viagens, entro em alguns lugares – baladas, restaurantes, hotéis, estradas erradas – que a primeira reação, ou então a conclusão final é: “onde é que eu fui me meter?”- ainda bem que deu tudo certo. E não é assim na vida? Por vezes, vai olhar para trás e pensar “como foi que consegui viver tanto tempo com essa pessoa?”, “como aguentei trabalhar naquele lugar?”. A diferença para mim é que na viagem o aprendizado é rápido, imediato, e se tudo der certo, indolor. Já na jornada da vida, pode-se levar anos para perceber que tinha algo MUITO errado! Vai até umas amizades pelo caminho, um tanto de dinheiro e quiçá um pouco da nossa energia vital! É preciso errar para se ter certeza do acerto, fazer a escolha correta nas próximas viagens e na vida.

Outro dia, no meio da viagem, naquele dia que era o mais esperado -“Sempre quis conhecer o Central Park, fazer um pique-nique lá” – aí você acorda, chuva e vento. Era aquele dia que você tinha tanto esperado… Tudo bem, vamos dia seguinte… Tempo horroroso. Passam-se seus dias em NY e o único que consegue é tirar uma meia dúzia de fotos, de capa, tremendo. Mas e na volta para casa, o que você fala? “GEEEEEEEEEEEEEEEENTE, o Central Park é maravilhooooooooooso, adorei NY!!! Pena que o tempo ficou meio esquisito, mas ah! Foi ótimo mesmo assim”. E não é assim na vida? Aquele ano em que achou que mundo ia acabar, parecia que todos os planos feitos no dia um de janeiro foram por água abaixo e além de tudo foram algumas surpresas ruins adicionais ao longo do caminho. É o ano que você nunca se esquece! É aquele em que te torna uma nova pessoa. Maus tempos na viagem, te dão a certeza de que você ainda voltará para ver quão mais lindo é nos dias de sol! Na vida, é nesses tempos de maré brava, que olhamos para trás e pensamos: “se não tivesse passado por tudo aquilo, não estaria maduro para encarar isso tudo novamente”, ou então “agora sim consigo valorizar o que realmente importa na vida”. A frustração e a nostalgia tem alquimia e transformam algo ruim em algo precioso.

Dia primeiro de janeiro em Zurique, frio abaixo de zero e não achava uma birosca aberta para comer. Completamente perdido no metrô de Osaka, até que uma alma nipônica bondosa me salva. Perdido nas estradas da Romênia, só a mímica para que eu conseguisse me comunicar e achar um posto para encher o pneu vazio. Entrevista de emprego marcado em Dublin na Irlanda, tanto era o sono que desliguei o celular dormindo e perdi a hora. Taxista cobrando 10 vezes mais caro por um viagem e brigando como quem está cheio de razão. Esses são, tanto quanto ou ainda mais, memoráveis que as situações em que tudo estava dando certo. São essas as histórias que conto para meus amigos e damos risadas… São com estas histórias que consigo dar as mais valiosas dicas. São essas que me lembro antes de dormir ou de agendar a próxima viagem. E não é assim na vida? Lembra-se de quando foi mandado embora? Quando terminaram com você? Quando comprou algo caro que simplesmente não funcionou como gostaria? Tenho certeza que se lembra, e estou seguro que tem dicas valiosas sobre estes temas para seus amigos, coisas que faria (e fará) de forma diferente na próxima. É na adversidade que aprendemos de verdade, viajar – principalmente para lugares muito diferentes – é como um jogo de criar adversidades para serem superadas. E a vida, ah! Esta se encarrega de criar adversidades sozinha.

E no fim da sua próxima viagem, você vai ter coragem de dizer que sua viagem não valeu a pena? Só por que pegou uns dias de chuva? Só porque um dia pegou uma estrada errada? Só porque um dia comeu figado de bode achando que era coração de galinha?

Não importa o que aconteça nas minhas viagens, sempre, SEMPRE, volto realizado, com um punhados de certezas e uma infinidade de dúvidas que me impelem ao próximo destino. E é isso que me dá segurança, que no final da viagem de vida, chegarei ao próximo destino cheio de força, alegria e curiosidade! =o)

Por dod sol em Okinawa, sul do Japão
Por do sol em Okinawa, sul do Japão

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *