Roteiro de Viagem – 2 dias em Ho Chi Minh, Vietnã

Na viagem para o Sudeste asiático, passei dois dias em Ho Chi Minh/Vietnã – o primeiro e o último da tour. Na primeira passagem, foi dedicado aos passeios fora da cidade, e o a segunda, para dar um giro melhor pelo local.

Dia um – Cu Chi Tunnels + Delta do Mekong e um giro pela cidade no fim do dia.

Chegamos a noite na cidade e pegamos um táxi para o Hotel . US$15 naqueles taxis caros de aeroporto. Foi o tempo tomar um banho, jantar (R$ 40 o casal) e dormir.

7:30 o a Smiles Tour passou para nos pegar (foi 4,2 milhões de Dongs para o casal). Primeiro, fomos ao Cu Chi tunnels (a entrada avulsa custa 90 mil Dongs), um lugarzinho sensacional da guerra do Vietnam que além de andar pelos tuneis sufocantes você pode pagar um extra (400 mil Dongs) para dar 10 tiros com uma AK47.

Cu Chi Tunnels, marco da guerra do Vietnã, próximo a Ho Chi Minh
Cu Chi Tunnels, marco da guerra do Vietnã, próximo a Ho Chi Minh

Depois de pouco mais de uma hora de passeio partimos para o Delta do Mekong, não antes de parar para um almoço. Uma rodada de degustação de vários pratos. Apesar de não ter nada que me agradou muito o paladar, a experiência foi bem legal para conhecer as comidas.

Por fim, fomos ao Delta do Mekong. Lá fomos conduzidos para um vilarejo onde passamos por algumas barracas e experimentamos alguns doces e frutas locais. Em termos de paladar, legal, mas um ambiente constrangedor em que ficaram tentando vender as coisas que experimentávamos. Não gostei.

O ato final foi um passeio de canoa por um canal do Mekong. Legalzinho o passeio, já incluso também.

Navegando pelo Delta do Mekong, próximo a Ho Chi Minh, Vietnã
Navegando pelo Delta do Mekong, próximo a Ho Chi Minh, Vietnã

Cerca de 1:30 para voltar para a cidade, paramos no Ben Thanh Market. Legal para conhecer e para quem quer comprar bugigangas interessantes, desde roupas, relógios, enfeites, bolsas, souvenirs variados etc. A noite, ao redor do Ben Trahn funciona um Night Market, basicamente com as mesmas barracas.

No fim do dia, fomos jantar chique no Eon Restaurant, no 51.o andar do Bitexco Financial Tower. Vale a vista, se não for jantar, pode tomar um café no Eon Café no 50.o andar (veja mais aqui).

Nesta primeira passagem, ficamos no Luan Vu (gostei, limpo, bem localizado). Única dica é que não tem elevador, então se tiver muita bagagem, pode ser bom pedir para ficar em um quarto mais baixo.

Dia dois – Uma volta pelo centro e alguns museus

Dias depois, de volta a cidade, logo pela manhã sai para dar umas voltas e ver alguns dos principais pontos. Entrei em dois museus pela manhã. Museu da guerra (Remnants Museum –15 mil Dongs a entrada – R$2) que mostra todo o horror e as condenações de crime de guerra dos EUA no Vietnã. Foi uma hora lá, mas poderia ter sido menos. Depois, fui ao Palácio da Reunificação/ Independência. Este não tem nada, fiquei quase uma hora, mas não deveria sequer ter entrado – 30 mil Dong.

Parti para a Catedral de Notredame, que é só mais um igreja, e estava fechada (abre das 8-11h e depois das 15-16h). Ao lado tem o Post Office, que bonitinho, vale a passada. A caminhada seguiu até o rio Saigon, passando pelo Opera House, Ho Chi Minh City Museum e City Hall. Tudo isso não toma mais de duas horas de passeio.

Imóveis altos e estreitos aproveitando cada pedaço de terreno - Ho Chi Minh, Vietnã
Imóveis altos e estreitos aproveitando cada pedaço de terreno – Ho Chi Minh, Vietnã

No final do dia, foi ao A O Show. É um espetáculo no Opera House meio acrobático / performático com base na cultura e história do Vietnã. Apenas música ao vivo e a performance, sem falas. Show legal, mas nada imperdível também. Dura uma hora, custa US$ 30 o assento mais barato, US$ 50 o mais caro.

Outras informações importantes:

  • Taxi do centro para o aeroporto, pegando na rua, saiu 126 mil Dong – US$6-7.
  • Nos mercados, em todo lugar, principalmente se o preço não estiver à mostra, negocie! Negocie muito, pode economizar até 70%.
  • Fui de avião, saindo de Danang. R$ 236 pela Vietjet, que claro, alterou o horário do vôo (antecipou 40 min)

Considerações finais:

  • Cidade tem seu charme, mas realmente é apenas uma cidade grande de um país subdesenvolvido. Os atrativos visuais não muitos.
  • Ah, mas os atrativos culturais são incontáveis. Seja pela loucura da cidade (eu ficaria observando alguns cruzamentos por horas), seja pela culinária diferente e barato, assim como pelos inúmeros e bons cafés.

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *