As 4 formas de aprender inglês. A melhor e porquê!

Cada vez mais aprender inglês, ficar fluente na língua é um desejo, além de uma necessidade. O acesso à viagens ao exterior melhorou bastante, ao mesmo tempo que as empresas (mesmo as nacionais) exigem inglês avançado.

O impacto que saber inglês e espanhol é imensurável na minha vida. Quantos lugares e pessoas que eu conheci, projetos profissionais que participei, o tanto que aprendi é algo que sem dúvida transformou minha vida.

Estudar inglês, por fim, não é algo que você vai fazer por alguns meses e pronto. Aprender um idioma requer que você estude a vida toda para não esquecer.

Vamos às opções, deixando o melhor para o final, claro! 🙂

4) Estudar inglês sozinho

Conheci algumas poucas pessoas que aprenderam inglês sozinho, mas isso vai se tornando mais comum. Isso porque existem muitas plataformas e pessoas que se dispuseram a ensinar inglês online, até de graça.

São muitos os caminhos e a gente não precisa se apegar a um só!

Duolingo

Duolingo é o aplicativo mais famoso do mundo para se aprender um novo idioma. Ele tem toda a sua estrutura quebrada em aulas, ensinando vocabulário, gramática, leitura e até mesmo conversação, avaliando a sua pronúncia.

A parte legal é que ele está no celular e você consegue praticar em qualquer lugar. Mais legal ainda é que são aulas bem curtinhas, então o que você precisa é ter certa disciplina para pegar 10 minutinhos do seu dia para praticar e aprender com ele.

Sites, blogs e canais de Youtube

Como disse antes, o que não falta é opção para aprender inglês online. Então se você procurar no google ou no Youtube “aulas de inglês” você vai encontrar uma centena deles.

O mais famoso deles é o Mairo Vergara, tanto o site quanto o canal no YouTube dele. Outro bastante conhecido no Youtube é o Professor Kenny.

Vários sites e canais vão querer te ensinar inglês. Assim como qualquer outro tipo de aula, vai depender da sua afinidade com o professor e com o método. Então não desista no primeiro, o negócio é achar aquele que o “santo bate”.

Uma coisa que você vai precisar de paciência, é caso esteja querendo um curso gratuito. Isso porque mesmo tendo muito conteúdo gratuito, os caras vão tentar te vender um curso melhor ou mais completo o tempo todo. Cabe a você entender se aquilo é necessário ou não.

Ingerir inglês de todos os lados

Esta é uma dica que vale para todo e qualquer forma que você escolha para estudar inglês. Mas quando for estudar sozinho, é ainda mais importante!

Aprender Inglês Sozinho – Foto Pexels

A partir do momento que você decidir aprender o idioma, faça o máximo para conviver com o idioma. Os exemplos que eu faço para seguir estudando e aprendendo, mesmo sem perceber são:

  • Meu celular está configura em inglês
  • Meu GPS está configurado em inglês
  • Os assistentes do meu celular (Google Assistant e Bixby) estão em inglês
  • 90% dos livros que leio, são em inglês
  • 90% do conteúdo que consumo no YouTube é em inglês
  • Me esforço para entender o que dizem as músicas em inglês

Ou seja, TUDO que eu posso, deixo em inglês para manter a língua ativa na cabeça. Quando comecei a aprender inglês eu fiquei maníaco por entender e traduzir todas músicas em inglês que eu ouvia e gostava. Além de aprender o idioma, mudou minha vida porque alguns letras eram espetaculares e fizeram muito sentido para minha visão de mundo!

Ou seja, repito: aprender inglês mudará sua vida, apesar de você ainda não saber exatamente o como!

Conversar aplicativos de celular

Você com certeza conhece a Siri do iPhone, ou a Bixby, ou o Google Assistant, a Alexa ou algum outro serviço e inteligência artificial. São Robôs que interagem conosco através de voz ou texto. Por que não conversar com eles nos tempos livres?

Dá até para pedir para eles te ensinarem o idioma. Ainda não é a forma mais produtiva, mas é uma opção adicional e as vezes é bem divertido! 🙂

Se este ainda não forem suficientes, tem um monte por ai

Atreva-se

No final das contas, para praticar o idioma, nada melhor que se jogar na vida real, falar com pessoas de carne e osso.

Você pode fazer isso online, procurando foruns de pessoas praticando inglês ou até mesmo foruns de assuntos que você se interessa. OU, você pode ir atrás de algum encontro presencial que aconteça por aí.

A melhor ferramenta para encontrar este tipo de evento é Meetup. É entrar lá e procurar um Meetup (encontro) de inglês, confirmar presença e aparecer no dia. 99% do que tem no Meetup é gratuito. Eu participo de alguns encontros e é muito legal!!!

Encontre um e se jogue!

3) Fazer um curso de inglês no Brasil

Fazer um curso de inglês presencial é talvez a opção mais procurada. Isso porque muita gente não tem a disciplina de estudar sozinho e eu sei como é difícil. Aprender do zero, sozinho requer muito empenho.

Uma questão interessante é que muitas vezes a gente fica preocupado porque não pode pagar por um “curso bom”. Porém, para mim, curso bom está longe de ser um curso caro. De novo, entra a questão do “santo bater”.

Antes de fazer meu intercâmbio eu completei o curso em duas escolas diferentes (a primeira porque minha mãe me colocou, a segunda porque eu queria um diploma de uma escola “conhecida”). Em ambos os casos, foram cursos baratos e em ambos os casos foi ótimo!

Eu na sala de aula... No Brasil mesmo, fazer o que! hehe
Eu na sala de aula… No Brasil mesmo, fazer o que! hehe

No primeiro curso, quando eu era apenas um adolescente, a turma era muito legal e fiquei muito amigo do meu professor que tinha 20 anos (pouquinho mais velho que eu só). A amizade com a turma, somada ao interesse em entender as músicas das minhas bandas favoritas, fez com que eu estudasse sem dor.

No segundo curso, que era uma escola famosa, mas barata, eu adorei o método. Para alunos do avançado, a aula era 95% conversação e eu adoro falar! hehehe… Além das provas, os testes eram encenações teatrais, discussões, negociações. Para mim, era o que eu queria, o que fazia sentido para mim. E de novo adorei a turma. Cheguei a avaliar um outro curso, que focava mais em repetição e gramática. Odiei, mas vai de cada um.

Sendo assim, se quer um curso de inglês presencial, o mais importante é entender a metodologia. Se possível, fazer uma aula teste. É preciso que você se adapte e que caiba no seu bolso… E a boa notícia é que existem cursos bons e baratos!

Por fim, não precisa dizer, que só as aulas não serão suficientes. Ir duas vezes por semana para escola não vai te tirar do lugar tão rápido. Pratique e vivencie o idioma todos os dias para fixar e acelerar o aprendizado!

2) Aulas particulares

Aulas particulares são um tipo de curso de inglês presencial que gosto, mas tenho sentimentos contraditórios. É muito bom ter alguém 100% dedicado para você, por outro lado, o que sempre me animou nas aulas que fiz foi a troca com outros alunos. São outras formas de pensar, outros sotaques, além da amizade que se cria.

Mas, sem querer ser chato, o importante é bater o santo com a pessoa e com o método.

A parte legal das aulas particulares é que normalmente tem um foco muito grande em conversação, o que é ótimo, pois é isso que você usará no dia-a-dia, e é isso que vai te dar a segurança que você aprendeu.

Por outro lado, muitas vezes você vai pagar R$ 100 por uma aula particular. Então realmente é preciso entender o quanto este é o melhor método para você, afinal, é bem mais caro que um curso presencial.

1) Fazer um intercâmbio

Uma das coisas que falei sobre aprender sozinho foi: ATREVA-SE! Mas se você quer mesmo se atrever a aprender inglês ou qualquer outro idioma, o caminho é o intercâmbio. Não tenho dúvidas disso.

Estudar inglês no exterior é a melhor coisa que você pode fazer pelo seu aprendizado e as razões são muitas:

1) Aprender na fonte

Nada como aprender com os pais da língua. Muitas vezes, com cursos no Brasil ou aprendendo sozinho, você vai aprender com alguns vícios locais, como sotaque, forma de construir as frases e tudo mais.

Estátua dos Beatles, banda de Liverpool, Inglaterra - Foto Pixabay
Estátua dos Beatles, banda de Liverpool, Inglaterra – Foto Pixabay

Aprender na fonte é lidar com a língua na vida real. Na Irlanda, por exemplo, há uma pluralidade enorme de sotaques, tanto sotaques locais, quanto sotaques de uma infinidade de imigrantes. No começo, isso parece um desafio enorme (e é), mas o aprendizado é gigantesco.

2) Cursos focados em conversação, mas com muita gramática

Os cursos normalmente são bastante dinâmicos e você não pode falar seu idioma nativo (até porque muitas vezes não adianta, afinal só vai ter gringo na sala). Ou seja, além de beber na fonte, você é forçado a falar o idioma o tempo todo.

Ao mesmo tempo, os livros e professores locais vão te ajudar enormemente a falar e escrever corretamente. O intercâmbio pra mim foi quando realmente aprendi e entendi algumas coisas de gramática.

Ah…. vale dizer que, apesar do foco total em conversação, é possível fazer estes cursos mesmo se você não saiba nada do idioma. Parece louco né, mas sempre existe método pra isso!

3) Cursos feitos para certificação

Quer ter uma certificação para colocar no seu CV? Muitos dos cursos (em alguns países isso é até obrigatório) são focados em algum tipo de certificação como TOEFL, IETLS, Cambridge ou outros. Para quem quer estampar no currículo uma nota certificação de um curso desses, o intercâmbio é certamente o caminho mais rápido e eficiente!

4) Imersão na língua

Lembra que eu falei sobre fazer tudo em inglês? Então, estudando no exterior você não precisa se preocupar com isso. As placas na rua serão em inglês, o ponto de ônibus, as revistas, a TV, o rádio, os livros… TUDO!

Thanks Barry - my ex-housemate in Dublin
Thanks Barry – my ex-housemate in Dublin

É de você dar uma forcinha e ler livros em inglês, fazer amizade e conviver com gringos e tudo mais. Mas com certeza meio caminho já foi andado.

No meu intercâmbio, eu caminhava até a escola ouvindo uma rádio local no celular. Eu morava com dois irlandeses. Eu lia os jornais locais. Eu assistia TV em casa com meus Flatmates.

TUDO era focado em vivenciar a língua e a cultura local! TUDO MESMO!

5) Custo benefício

Há quem diga que intercâmbio é “caro”… Bom, isso é relativo. Com certeza um pacote de intercâmbio tem um valor importante e é preciso pagá-lo todo de uma vez, ou no máximo com financiamentos de 12 meses.

Porém, vamos colocar na ponta do lápis:

Ou seja, um intercâmbio de inglês de 1 mês equivale a 6 semestres de um curso de inglês no Brasil. Ou então, 8 semestres (4 anos) para quem quiser fazer um intercâmbio de longa duração. (Isso pegando as opções de intercâmbio mais barato, claro :).

Além de aprender o idioma de uma maneira mais rápida e profunda, você terá uma experiência no exterior que vai mudar definitivamente sua vida.

O retorno de um intercâmbio é quase imensurável, tanto no idioma, quanto em outros aspectos!

Conclusões como estudar e aprender inglês!

Com certeza aprender inglês no intercâmbio é sua melhor opção, mas isso não quer dizer que você não deva começar agora por algum dos outros caminhos. Afinal de contas, se você chegar com alguma coisa do idioma no seu intercâmbio, seu aprendizado pode ser acelerado enormemente e sua experiência no exterior também!

Aprender uma língua requer, de qualquer forma, muito empenho e disciplina, não há milagre, seja no intercâmbio, seja estudando sozinho.

Comece a estudar inglês agora, mas não perca tempo e comece a planejar seu intercâmbio também! \o/

Preencha o formulário abaixo e fale com diversas agências de intercâmbio de uma só vez. Receba cotações e compare opções variadas para realizar o sonho do seu intercâmbio!

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *