Alugar e dirigir carro na República Dominicana

Alugar carro na República Dominicana foi uma decisão simples para mim. Visto as distâncias, o pouco tempo disponível e o desejo pela flexibilidade, deixou a decisão fácil! E, apesar dos pesares, mais uma vez acho que valeu a pena.

Nem sempre é a opção mais barata, mas muitas vezes é que faz você usar melhor o “dinheiro investido na viagem“, pois aproveita melhor o tempo e os passeios.

Vamos às etapas…

1) Reservar o carro

Como é de praxe, fiz a busca usando o Skyscanner e o Expedia e encontrei os valores mais baratos na EuropCar. Como íamos encontrar mais dois amigos lá, a decisão foi por um sedã médio, em vez do menor (e mais barato) carro disponível, que é o que eu sempre faço.

Até esta etapa, sem segredos. Ah… vale lembrar que nossa CNH é aceita para dirigir lá, não precisa de PID (Permissão Internacional de Direção).

2) Retirando o carro

Aí pode começar o martírio. A minha experiência pessoal foi ruim, mas outros não tiveram o mesmo problema, de qualquer forma, vou deixar aqui algumas dicas.

Na chegada, a primeira coisa que fui informado era que o carro reservado não estava mais disponível. A opção que foi dado foi a de manter o valor e me darem uma Hilux! Pode parecer bom, mas eu não gosto de carros grandes e também consomem mais gasolina.

Centro de Las Terrenas, em Samana - República Dominicana
Ruas estreitas e moto na contramão no Centro de Las Terrenas, em Samana – República Dominicana

Depois de aceitar o fato de ficar com uma pick-up, veio a segunda surpresa. Para aceitarem o seguro do cartão, me pediram um documento que tivesse o número do cartão, o meu nome e as coberturas. Porém, todos sabem (eles principalmente), que os documentos padrão dos cartões (Visa e Mastercard) são genéricos e vastamente aceitos. Porém, o que eles queriam era que eu comprasse o seguro.

Sem internet, com pressa para seguir viagem, fui colocado em uma sinuca de bico. Era um carro que eu não queria, e por mais do que o dobro que eu tinha reservado (original era US$320 e com o seguro passou para absurdos US$ 690!!).

Para piorar, veio a máfia…

Comecei a bater de guichê em guichê de todas as locadoras. Quase todas diziam que não tinham carro. As que diziam que tinham, falavam que só aceitavam o seguro cartão de crédito com reserva antecipada (???).

A máfia era tanta, que quando eu fui no Guichê da Hertz, ele perguntou para a menina da Dollar, quanto ela tinha cobrado. Assim, na minha cara, sem esconder.

Quando eu pedi um desconto, uma das atendentes chegou a me chamar para fora do escritório e oferecer para alugar o carro pessoal dela!!!!

Contei todos os detalhes no vídeo no nosso canal no YouTube!

https://youtu.be/jPo5-gskCWA

A parte aleatória da história…

Enquanto estávamos lá dando cabeçadas para resolver, encontramos um casal de brasileiros que estava devolvendo o carro e tinha passado por algo similar.

Por outro lado, falei com outro casal que estava lá na hora e tudo estava indo bem. Meus amigos pegaram o carro 3 dias antes e também não tiveram problemas.

Minha hipótese é que tem dias de maior movimento (principalmente sábados) e em temporadas que a pilantragem fica mais latente.

A retirada em si

Carro alugado em Punta Cana - República Dominicana
Carro alugado em Punta Cana – República Dominicana

Depois que decidimos por um agência (não vou fazer propaganda do nome, porque não acho que sejam mais justos que os outros), tudo correu de maneira protocolar.

  1. Preenche os dados
  2. Assina o contrato
  3. Bloqueio de valor do cartão
  4. Vistoria no carro

E pronto…

A única parte esquisita foi que tive que assina uma autorização em branco do cartão de crédito. Para mim, deu tudo certo, na hora de retirar o papel foi preenchido e devolvido. Para o amigo brasileiro, o cara ficou esperando uma hora para conseguir sair com o comprovante dele.

Algumas dicas para a reserva e retirada

Sabendo destas pilantragens, eu recomendo:

  1. Reserve o carro em váááárias locadoras. Não custa nada e se alguma quiser te sacanear, vá para a próxima
  2. Se tiver o seguro do cartão, ligue para a sua bandeira e peça este comprovante de seguro auto de maneira nominal. O cara mostrou um exemplo lá. As bandeiras devem ter um template.
  3. Não vá muito justo de tempo, visto esta bagunça, perdi quase 2 horas para sair com o carro
  4. Fique atento ao tanque de gasolina, ele não necessariamente estará cheio e você precisa devolver no mesmo nível que pegou

3) Cultura nas ruas e estradas

Moto com 2 passageiros, sem capacete em estrada sem acostamento - República Dominicana
Moto com 2 passageiros, sem capacete em estrada sem acostamento – República Dominicana

A parte mais complicada na verdade é se habituar com algumas coisas na estrada:

  • Eles ultrapassam por qualquer lado
  • Não usam pisca para virar ou mudar de faixa
  • Trocar as lampadas traseiras do carro é luxo
  • Usam muito o farol alto, sem precisar
  • Motos com 3 pessoas em cima é comum
  • Capacete e moto quase não entram na mesma frase
  • Carregam TUDO na moto
  • Mexem no celular na moto, no carro etc.
  • Nas rodovias, motos andam geralmente pelo acostamento (quando existe um)
  • Nas cidades principalmente (mas as vezes nas rodovias também), as motos dirigem em todos os sentidos. Na contramão, cruzam do nada a rua etc
  • Muita gente andando e atravessando a rua do nada
  • Motoristas de ônibus são completamente malucos. Fazem ultrapassagens bizarras, cortam farol… Afe, show de horror

3) Qualidade e cultura nas estradas

Rodovia entre Punta Cana e Santo Domingo, República Dominicana
Rodovia entre Punta Cana e Santo Domingo, República Dominicana

Eu dirigi por duas rodovias principais. A primeira delas, de Punta Cana até Santo Domingo, era pista dupla e em excelentes condições. A segunda, de Santo Domingo a Las Terrenas, também em boa condição, porém em pista única, muitas vezes sem acostamento e com bastante curvas. A velocidade máxima é de 80 a 100 km/h, a depender da rodovia.

Fora deste eixo, dirigi pelas rodovias de Samana e a história muda um pouco. Tudo é também em pista simples e a qualidade é geralmente boa, porém, em alguns trechos surgem buracos enormes. Além disso, essas rodovias menores passam por cidadezinhas e vilarejos, onde é preciso ter bastante cuidado. Aqui as velocidades oscilam mais, entre 25 km/h e 90km/h.

O principal perigo das estradas é a cultura que citei antes. Apesar de trechos ruins, o comportamento dos dominicanos é que o grande problema.

4) Dirigindo na cidade

A cidade é um completo caos. Centenas de motos por todos os lados, ônibus cortando todo mundo, carro sem dar seta…

Quem mora em Sampa como eu, pode imaginar que nada pode ser tão ruim, mas é.

As motos andam sem direção nenhuma e sem nenhuma responsabilidade. Crianças na moto, sem capacete, três pessoas na garupa. Na minha frente, um ônibus furou a fila da conversão à esquerda e virou no farol vermelho.

No geral, a regra que vale é a lei do mais forte: carros parem para os ônibus, motos parem para os carros, pedestres e bicicletas esperam todo mundo. É tudo ao contrário.

Por fim, em Santo Domingo, peguei pouco transito por ser dia de natal. Porém, dominicanos falaram que lá não tem hora de pico durante semana, toda hora, tem trânsito.

4) Pedágios

Eu não consegui entender a regra dos pedágios lá. As vezes tem três, um atrás do outro… As vezes não tem nenhum. O valor também oscila loucamente de 60 pesos (~R$ 5), até 552 pesos (~R$ 50). Paga-se apenas com pesos dominicanos (não tente dólares).

Eles tem também as tags para pagamento automático. Só que pega fila igual, também não entendi a vantagem.

5) Abastecendo

É igual no Brasil. Para no posto e pede para o frentista abastecer. A diferença está na forma que é cobrado.

No Brasil, controlamos por litros. Na República Dominicana, controlam por galões, assim como nos EUA. 1 galão = ~4,5 Litros. Preço médio por litro de R$ 3,65.

Um episódio que aconteceu comigo, foi que no posto perto do aeroporto, o cara “encheu” o tanque, mas o ponteiro do marcador não se mexeu. Alguma gambiarra ou pilantragem ele fez. Que eu tenha notado, foi a única vez, mas vale ficar de olho.

6) Polícia

Boa notícia e má notícia: tem muita polícia rodoviária nas beiras das estradas, normalmente em posição para “seguir e parar” alguém.

Quem não deve nada, poderia achar ótimo. Os brasileiro que encontramos na locadora de carros, foram parados 9x em uma semana. Eu fui parado 1 vez só, mas foi para me pedir “um presente de Natal”. Ou seja….

7) Devolvendo o carro

Novamente procedimento normal, mas mais old school. Em países da Europa e nos EUA, a devolução é sem vistoria. Se tiver algum problema, vão falar com você depois. No Brasil, a vistoria é rápida e simples.

Na República Dominicana, a vistoria é exatamente igual na entrada. Fazem um papelzinho na mão e você precisa assinar e levar para o guichê para fechar as contas.

No guichê, demoradinho por conta da papelada e burocracia, mas em 10 minutos tudo tinha se resolvido. Isso para mim, para aquele camarada brasileiro, estava tomando chá de cadeira para receber seus comprovantes. =/

Conclusões sobre dirigir e alugar carro na República Dominicana

Boulevard Turistico Atlantico de Las Terrenas para Santo Domingo
Boulevard Turistico Atlantico de Las Terrenas para Santo Domingo

Esteja preparado. Na retirada, tenha certeza que você tem alternativas caso a “máfia” se instaure. Na hora de dirigir, fique muito atento e tenha paciência, é uma cultura muito diferente e que negligenciam muito os riscos. Faça a sua parte e dirija da maneira mais consciente possível, por você e pelos outros.

Apenas para tranquilizar, apesar do “caos”, recomendo sim alugar um carro para viajar pela República Dominicana. Ajudou muito nos passeios. Agora, se for só ficar em Punta Cana, principalmente em um Resort, acho que um carro terá pouco uso. Nos meus 3 dias em Punta Cana, só usamos os carro para “facilitar”, mas não era necessário.

Quer uma ajuda para organizar seu roteiro de viagem? Preencha o formulário abaixo e fale com agências de viagem parceiras do Intercâmbio & Viagem!

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *