Golpes e fraudes no intercâmbio: como funcionam e como evitar?

De tempos em tempos ouço a mesma história: pessoas que queriam realizar o sonho do intercâmbio frustradas por uma pilantragem da agência ou escola de intercâmbio.

Quem é o responsável por uma fraude no intercâmbio? Depois de 10 anos lidando com intercâmbio e intercambistas, já passei por várias coisas… 99,9% das histórias são positivas, mas infelizmente de vez em quando aparecem histórias de golpes, fraudes e falências que acabam com o sonho de muita gente…

E, claro, deixam tantas outras com medo.

Resolvi atualizar este artigo, depois dos problemas ocorridas e das falências da IPB(Intercâmbio para Brasileiros) e da T2T(Time 2 Travel). Pelas notícias, estas duas agências juntas, prejudicaram mais 1000 estudantes e gerou R$ 1 milhão em prejuízo acumulado para eles. Ainda teve a Popinschool, agência menos conhecida, mas que saiu de cena.

Problemas e fraudes mais comuns no intercâmbio

Ano passado, ouvi três problemas bastante divulgados com repercussão até na grande mídia. Outra teve denuncias de estelionato…

O problema mais comum e recorrente é o de a agência cobrar do intercambista aqui no Brasil e não pagar a escola no país de destino. É responsabilidade da agência receber o dinheiro e os dados do aluno, registrá-lo na escola contratada e enviar o dinheiro através de transferência internacional para a escola.

A situação mais recorrente neste caso é que a agência simplesmente não faz a matrícula do aluno conforme o contratado. Foi o que aconteceu no caso da IPB, segundo esta notícia.

Outros tipos de problema…

Uma outra situação denunciada também é de agências que não fazem o ressarcimento de valores no caso de cancelamento. É uma situação complicada também, pois muitas vezes o aluno está cancelando a viagem devido a um problema mais sério… seja financeiro ou até de saúde.

Outro problema que acontece bastante (para dizer a verdade, principalmente na Irlanda), é o fato de algumas falirem no meio do caminho. Uma escola em Limerick, Irlanda fechou as portas. Ou seja, você pagou para a agência, a agência pagou a escola e, de repente ela fecha as portas antes de você começar o curso, ou então durante seu curso. Por vezes existe um fundo para proteger o aluno e realocá-lo em outra escola.

Não é preciso dizer que isso não é um processo fácil nem tranquilo e que eventualmente vai depender também da agência.

PS: Por uma questão de respeito às informações, ao leitor e até às agências e escolas, reforço para atentarem às notícias, avaliando sefalam em DENÚNCIA ou em CONDENAÇÃO e fatos – uma confusão bem comum no nosso país recentemente.

Golpe ou erros de gestão das agências e escolas?

Eu diria que 90% das vezes é mais erro de gestão do que golpe, fraude ou pilantragem… Isso, porém, não diminui em nada a responsabilidade dos envolvidos.

Nestes mais de 10 anos lidando com intercâmbio, tenho falado com todo tipo de agência… Desde as mais famosas, renomadas e bem estabelecidas do Brasil, até agências iniciantes que surgem a todo tempo.

Vi muitos iniciantes e até agências maiores bem estruturadas morrerem… Por todos os casos que já ouvi por aí, o mais comum é a má gestão do caixa de recebimentos e pagamentos

  • Agências recebem o valor hoje, para um curso que será feito daqui alguns meses por um intercambista
  • Em vez de imediatamente matricular o aluno, a agência segura o dinheiro em caixa por algum período para ter ganhos financeiros
  • Chegando próximo da data da viagem a escola realiza o pagamento e a matrícula no curso
  • A carta de matrícula da escola é enviada ao aluno

Teoricamente, não existe problema nenhum nisso. Todas as grandes empresas do mercado trabalham de forma a ter ganhos financeiros, ganhos de fluxo de caixa. É comum, faz parte dos negócios, é inerente ao capitalismo como está montado hoje. Porém…

Empreender no Brasil não é para qualquer um

…acontece que o Brasil não é um país para amadores. Se vai fazer esta gestão precisa estar muito, muito, muito atento e preparado para coisas como:

Quanto custa um intercâmbio

  • Oscilações bruscas no câmbio, afinal cobra-se no Brasil em R$ e paga-se lá fora em dólares, euros etc.
  • Problemas trabalhistas. Um pequeno processo trabalhista pode ficar facilmente em R$ 50, 100 mil reais. Mesmo para agências de porte médio, isso pode ser um baque imenso.
  • Questões fiscais… Seja por erro, ignorância ou malícia, cair em uma pegadinha fiscal no Brasil não é nada difícil. Gerando multas e outros tipos de problemas
  • Os clientes também não são fáceis. Tem gente que se especializa em achar brechas, somente para abrir processos nos tribunais de pequenas causas e tirar proveito de certas situações. Já ouvi algumas.

Ou seja, fazer uma “má gestão financeira” é comum. É fácil errar dentro deste contexto cheio de variáveis, principalmente com a questão cambial. Apesar da nossa “pseudo-estabilidade”, não é incomum o dólar subir ou cair mais de 10% em uma semana . DEZ POR CENTO! (Já falei o que penso sobre especulação cambial aqui, enfim…)

Para dar um exemplo prático em um intercâmbio…

Por hipótese, uma agência estava vendendo um pacote por US$ 10 mil em Março, ou seja, cerca de R$ 40 mil na cotação do mês. No mês de março, ela fechou 10 cursos. No dia 20 de maio, é o prazo final para fazer a matrícula dos alunos.

Supondo 20% de oscilação em 20 meses:

  • Em março: R$ 400 mil recebidos por 10 cursos
  • Em maio, tem que pagar R$ 480 mil pelos cursos ( ou R$ 440 mil se quiser que eu desconte a comissão de venda da agência)
  • OITENTA MIL REAIS DE DIFERENÇA EM 2 MESES!

Isso é a diferença entre o lucro e o prejuízo… Para um agência pequena, média ou má gerida, é a diferença entre continuar vendendo intercâmbio na praça ou fechar as portas. Está é a diferença entre uma “fraude no intercâmbio” e o seu sonho sendo realizado.

Para as escolas, é mais difícil identificar os problemas… Mas, a maioria das vezes acontece com escolas menores que focam mais em custo do que em qualidade. E quando algo sai do planejado, tem menor capacidade de contornar a situação.

Como evitar problemas e fraudes no intercâmbio

Aqui são somente algumas sugestões, caso tenham outras sugestões e histórias, por favor compartilhem para evitarmos que o sonho de mais pessoas seja interrompido!

Vamos lá:

  • Solicite (se possível, contratualmente) o envio da carta de matrícula da escola o mais rápido possível. Se puder, cheque com a escola se está tudo certo.
  • Fique atento às clausulas do contrato, principalmente na situação de um cancelamento
  • Faça pesquisas do CNPJ da agência. Tentar encontrar processos, problemas na Receita Federal etc.
  • Pesquise bastante, participe de grupos e fale com pessoas que foram pela agência. Encontre estas pessoas em fóruns e comunidades.
  • Avalie o Reclame Aqui das agências. Você sempre vai encontrar problemas por lá, então não se impressione muito. De qualquer forma, use para buscar referências e se informar
  • Procure no Google “Nome da Agência” ou “Nome da Escola” + Golpe ou Fraude ou Denuncia ou Estelionato. Veja o que aparece.
  • Fazer o intercâmbio direto com as escolas é uma outra opção, porque elimina um intermediário. Porém, saiba que além das vantagens, existem também riscos e problemas nesta alternativa
  • Desconfie de preços fantásticos e de quem te pressiona muuuuuito para fechar rapidamente. Principalmente para cursos de idioma, as datas são bem flexíveis.

Analise tudo com cuidado! O importante é não deixar a incompetência ou malícia de uns e outros interromperem o seu intercâmbio 🙂

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *