Roteiro de Viagem – 2/3 dias em Cafayate, Argentina

Cafayate é o centro de uma das principais regiões produtora de Vinho na América do sul, na Argentina e no mundo. O ambiente da cidade é incrivelmente convidativo, assimo como o caminho até lá!

Desci até Cafayate pela Ruta 68. Tudo asfaltado mas muito sinuosos e em pista única. Foram quase 4 horas devido às inùmeras paradas ao longo da rota. As para incluiram: Anfiteatro, Obelisco, Ventanas, Garganta del Diablo entre outras sem nome.

Paradinha no mirador Tres Cruces na Ruta 68 para Cafayate, Argentina

Para quem gosta de um artesanato, bijouterias etc., estas paradas são perfeitas.

Dia 1 – Cafayate e sua primeira Bodega

Depois de uma viagem longe, cheguei as 16h. Foi o tempo de comer e visitar a primeira bodega, Nanni. Todas fecham entre 17 e 18:30 para visitas e também para vendas.

A bodega foi escolhida pois foi indicada por uma Sommelier Argentina que conheci no tour do Tolar Grande. É uma bodega de 1897 e que produz vinhos orgânicos (ou seja, sem adição de nenhum produto químico). Visita gratuita e degustação de 40 pesos/pessoa. Tudo demorou uma 1 hora e pouco com um grupo de umas 20 pessoas.

Para compra, tinham 3 escalas de preço (peso a R$0,23 em Jan/17):

  • 100 pesos – Vinhos jovens
  • 180 pesos – Reservas
  • 400 pesos – Grand Reserva
Pequena bodega orgânica, Nanni, em Cafayate, Norte da Argentina
Pequena bodega orgânica, Nanni, em Cafayate, Norte da Argentina

Depois disso, foi o tempo de dar uma volta no centrinho que é muito legal. Praça bonitinha, lojinhas de artesanato diferente. Gostei :).

Para janta, só comi umas empanadas no hotel. Estava cansado e já tinha almoçado muito tarde.

Dia 2 – Cafayate, o museu e a segunda Bodega

Logo cedo fomos para a segunda indicação: San Pedro de Yocochuya. Um sommelier em um restaurante no Brasil me indicou e a Sommellier Argentina endossou.

Vista do almoço na bodega Piateli em Cafayate, Norte da Argentina
Vista do almoço na bodega Piateli em Cafayate, Norte da Argentina

Eu e minha esposa fizemos o tour sozinhos e não durou mais de 15 minutos.

Quanto aos vinhos, os preços eram na ordem de:

  • 180 pesos – Vinhos jovens
  • 380 pesos – Reservas (apenas esta linha é exportada)
  • 800 pesos – Grand Reserva
Museu de Vid y Vino Uvas em Cafayate, Norte da Argentina
Museu de Vid y Vino Uvas em Cafayate, Norte da Argentina

Depois, para no Museo de la Vid y Vino. Conta a história do vinho na região e explica o processo de produção. 60 pesos, 1 hora de vista. Vale a pena.

Na sequência, mais uma vez indicado pela sommelier argentina, almocei no Piateli (que é bodega também). Boa comida, linda vista e preço ok – 900 pesos, com duas taças de vinho e sobremesa.

Honestamente, depois de 2 bodegas (e por já conhecer outras, como o Concha y Toro no Chile), decidimos que era o suficiente. Fomos aproveitar a tarde na bela piscina do hotel, cercado por montanhas e vinhedos.

Depois disso, foi tomar banho e dar a última volta no centro para compra de souvenirs e para seguir última indicação: comprar alfajores Calchaquitos. Muito bons. 24 por 400 pesos.

Dia 3 – De Cafayate para Salta, passando por Cachi

Sai as 9h dirigindo pela Ruta 40, neste trecho o chão é melhor que em Los Cobres-Tilcara, mas é bem mais sinuoso e estreito. Em compensação, as paisagens são espetaculares – Quebrada de las Flechas, El Ventisquero, Obelisco… ave tudo muito legal nos primeiros 60 km. Depois a paisagem fica “comum” até chegar em Cachi. Tudo levou umas 4h, considerando as paradas.

Paradinha para foto em El Ventisquero, caminho de Cayate a Salta, Ruta 40, Argentina
Paradinha para foto em El Ventisquero, caminho de Cayate a Salta, Ruta 40, Argentina

Parei na Finca El Carmen, absolutamente dispensável.

Cachi não tem nada. Igreja, pracinha, um museu e ponto. Almoço ruim, muit ruim, péssimo, nojento. Ficava em uma esquina da praça Guemes, Oliver Resto Bar. Afe, que horror…

Dali para Salta pela Rota 33 (majoritariamente pavimentada), o primeiro passo é o Parque Nacional los Cardones. Um mar de Cactus, uma paisagem diferente e interessante.

Parque de los Cordones, caminho de Cachi a Cafayate, Norte da Argentina
Parque de los Cordones, caminho de Cachi a Cafayate, Norte da Argentina

Depois vem a fastááástica Cuesta del Obispo e uma descida pelo vale que vai até chegar novamente na Rota 68. Este trecho é realmente muito bonito. Várias paradas para admirar e fotografar. Mais umas 4 horas e pouco até chegar em Salta as 19h.

Considerações finais de Cafayate

  • Foi um dos momentos altos da minha viagem ao Norte Argentino 🙂
  • Vá pela Ruta 68 e volte pela Ruta 40 (ou vice e versa)
  • Antes de pegar a Ruta 40, informe-se na polícia sobre as condições da estrada. O caminho é tranquilo, mas como é de terra, é bom se informar sobre chuvas e cheias de rio.
  • Cafayate tem mais de 20 bodegas, ir em 2 ou 3 já me parece suficiente. Recomendaram ir em uma pequena e um grande ao menos. Fui em 2 pequenas mas me dei por satisfeito.
Relaxando no hotel em Cafayate, Norte da Argentina
Relaxando no hotel em Cafayate, Norte da Argentina
Cuesta del Obispo, caminho de Cachi a Cafayate, Norte da Argentina
Cuesta del Obispo, caminho de Cachi a Cafayate, Norte da Argentina

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *