Planejamento minha próxima viagem: Passo #3, Definindo o roteiro

Definir previamente o roteiro tem suas vantagens, a principal delas é custo. A segunda mais importante é o conforto, algumas pessoas não lidam bem com o fato de não saberem onde vão dormir no dia seguinte. Isso tem muito a ver com o tipo de viajante que você é, mas também tem a ver com o destino que você escolheu e com quanto tempo tem disponível.

Veja aqui o Passos #1 – escolhendo o destino, Passo #2 – Comprar Passagens.

Para mim existem três formas de escolher o roteiro:

1 – Planejar dia-a-dia, hora a hora.

Este é o caso em que você tem pouco tempo e/ou tem propósitos muitos específicos para o lugar. Por exemplo, vai ter 20 dias na Europa e vai passar por 4 ou 5 cidades. Neste caso vale a pena listar o que você quer ver em cada lugar e fazer até uma rota para o dia: “de manhã vou no Louvre, depois do almoço no D’Orsay e no fim da tarde Torre Eiffel.

O por do sol no topo Torre Eiffel, Paris, França
O por do sol no topo Torre Eiffel, Paris, França

Não gosto muito de fazer isso pois se você adiantar algumas coisas ou não gostar de outras, fica sem a opção de partir logo para o próximo. Ou, se quiser fazer algo que não estava planejado, vai ter pouca massa de manobra

2 – Planejar com flexibilidade.

Reservar algumas coisas que são muito muito certas para evitar riscos desnecessários e ainda ter alguma flexibilidade aproveitar mais um lugar ou outro. Essa é a que parece mais comigo, até porque requer menos tempo de pesquisas na internet e dá mais chance de conhecer coisas diferentes, eventualmente indicadas por locais.

Por exemplo, nesta viagem para a Costa Rica já reservei a primeira e a última noite, ambas serão em San Jose. Na chegada, vou pegar um carro, mas pouco provavelmente terei ânimo para pegar estrada logo na chegada. Sendo assim, vou chegar às 14h em San José e dormirei lá. Se entender que vale a pena, passo o dia seguinte por lá e viajo a noite. Se não, parto no dia seguinte logo de manhã. Na volta, meu voo é ao meio-dia, então é muito mais seguro dormir na cidade de onde vou partir.

Veja, adoro esta flexibilidade. Vou chegar as 14h e dar um giro pela cidade. Se não gostar, na primeira hora do dia seguinte, sigo adiante. Se achar que é interessante fico o dia seguinte. Se eu achar que ainda não foi o suficiente posso chegar cedinho a San José e aproveitar mais um dia inteiro lá. Ou seja, posso ficar uma tarde ou 2,5 dias em um lugar

Outro dia que eu provavelmente vou planejar é o fim de semana. Sextas e sábados são dias mais concorridos em hostels, então se puder planejar com antecedência, melhor.

Outra situação seria de lugares em que a oferta de camas é baixa e a procura é alta. Na Costa Rica vi que tem algumas praias que são assim, mas não devo dormir por lá em dias de pico. E como estarei de carro, terei sempre a opção de andar uns 40km para uma cidade próxima se necessário para achar um hotel/hostel melhor ou mais barato.

Nesse tipo de roteiro, na noite anterior estou sempre pensando na reserva do próximo dia. As vezes gera um pouco de ansiedade e conheço quem passou perrengues de não encontrar onde dormir. Faz parte da experiência também… Comigo, felizmente o pior que aconteceu foi ficar em um hostel piorzinho. Nada grave.

Ah, para finalizar. Neste caso, o fato de eu alugar um carro é que vai me dar muito mais flexibilidade e tranquilidade. Quando cansar de um lugar, vou embora. Se decidir ficar, fico até a hora que quiser. Se não achar um hotel, ok, na cidade do lado eu encontro… ou quiçá, durmo no carro. Vai encarecer o processo como um todo, mas sei que vale a pena… Se não, contarei depois.

Meu Cobalt alugado nos EUA estacionado no Motel que dormi
Meu Cobalt alugado nos EUA em 2007

3 – Deixa a vida me levar.

Eu ainda não fiz nada desta forma, mas ainda farei. Normalmente quem faz isso é quem tem bastante tempo e dinheiro limitado, muitos europeus vão desta forma:

  • Couchsurfing é a prioridade, dormir na estação de trêm ou no aeroporto é algo comum
  • Carona é uma possibilidade
  • A noite de amanhã é muitas vezes uma incerteza
  • O próximo destino altamente variável

É com certeza uma viagem exploratória em que se encontra com muitos locais, situações inusitadas e tudo mais. É preciso desprendimento e muita serenidade.

Homero Carmona

Blogueiro desde 2008, ano em que fez seu primeiro intercâmbio e começou a viajar por aí! Atualmente coleciona mais de 40 países no seu passaporte e sonha conhecer todos os 200 e poucos por este mudão a fora... Seu hobby é fazer com que mais gente viaje, todo dia, cada dia mais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *